Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

As palavras que o vento não levou

preciso mentir que te amo .

IMG_1785.JPG

 

Não sei o que te escreva, nem tão pouco sei o que te quero dizer. Ou talvez saiba?! - Estranho, a nossa mente confunde-nos tanto. Queria-te amar, mas já não tenho forças para isso. Queria ter saudades tuas, mas já não sinto essa necessidade. Guardo cada despedida na estação, bem no coração. Guardo o olhar intenso e resistente às lágrimas pelo vidro do comboio. Sigo-te até não te ver mais, até o teu sorriso ser apenas imagens da memória. Eu amei-te. Nesses regressos e partidas, eu contava os segundos que faltavam para a próxima vez. Não te queria perder. Em cada abraço de "adeus", arrancavas um pedaço de mim. Nunca foste embora sozinho. Deixei que me levasses, sem que te apercebesses. Tu não me vias, tu não me sentias, mas eu estava onde tu quisesses que eu estivesse. Não sabia de todos os teus passos, mas confiava no teu percurso, estava segura de ti. E de nós. Desde o primeiro dia, ainda sem o ser, já o era. Já o era nos olhares, nos sorrisos, nas mensagens sem motivo, mas que tatuavam um frio na barriga por sentir o telemóvel vibrar, por saber de quem era, por saber que as palavras não definiam tudo, mas havia tanto nas linhas que nos uniam. Inexplicável. Já o era na vontade de estar lado a lado, sem que o admitíssemos, na cumplicidade de um simples jogo de cartas ou, nos sussuros inquietos. Já o era nas brincadeiras desajeitadas, na timidez irreverente e na oposição de ideias. Uma força desmedidca apoderou-se de nós. E nós deixámo-nos levar. Foi bom, foi maravilhoso. Não há arrependimento, há algo miraculante que reservo no meu coração. Com um toque de um "para sempre" que falhou, mas de uma eternidade incessante. Sabem aquela sensação de que algo pode ser vosso para sempre? Pode não ser concreto, mas eu acredito que há coisas que levamos connosco para a vida. E tu és mais do que isso, és ainda, hoje, uma parte fundamental na minha existência. Marcaste-me como uma tatuagem, daquelas que não nos arrependemos de fazer e nos dá vontade de fazer mais e mais. Mas controlo-me. Quantidade, não seria qualidade. Prefiro prender-me ao passado, e recordar-nos sob a forma de um verão que não passou. Estou aqui, com a certeza de que já não te quero, como te quis e também, já não te tenho como te tive. Tenho-te de outra maneira, temo-nos de uma forma só nossa. E deixemos a nossa fórmula inabalável... como uma porta férrea que o comboio não derruba, esse mesmo que apanhaste e não tem saída, porque tu estás em mim, para sempre. E eu sei que de uma forma só tua, e acredito que especial, também estarei para sempre em ti. Temo-nos de uma forma bela. Só nossa. Por isso, o segredo está guardado a sete chaves. 

 


- Vamos passear? Temos um cadeado para proteger, uma chave para atirar ao rio.
- Talvez seja melhor dividi-la ao meio, não para que a nossa relação seja quebrada, mas para que em margens opostas nos possamos recordar um ao outro.

 

(28/01/2014)

8 comentários

Comentar post

Mais sobre mim

foto do autor

Arquivo

  1. 2015
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D